Posts Tagged ‘ Rap ’

Mos Def and Black Keys = Blacrok

Pode ser velha a notícia pra você, mas pra mim é nova, achei do caralho e aqui está uma prova do quanto é legal:

Gil Scott-Heron is back motherfucker!

Músico e poeta, principalmente conhecido no final da década de 1960 e princípio dos anos 1970 por suas atuações de poesia cantada e falada misturando ritmos como JazzFunkSoul e ritmos latinos, relacionadas com os ativistas militantes afro-americanos. Heron é famoso pelo seu poema/canção “The Revolution Will Not Be Televised”

Nasceu em ChicagoIllinois, mas passou sua infância no Tennessee e mais tarde mudou-se para o Bronx, onde cursou seus estudos secundários. Estudou por um ano na Lincoln University (na Pennsylvania), publicou sua primeira novela, The Vulture, que foi bem recebida.

Começou sua carreira musical em 1970 com o LP Small Talk at 125th and Lenox. O álbum incluía canções agressivas contra os meios de comunicação corporativos manejados por brancos, a superficialidade da televisão e o consumismo, e a ignorância da classe média dos Estados Unidos sobre os problemas sociais na época.

Scott-Heron é visto como um dos fundadores do rap.

E aqui malandro, vai o som novo do cara!

Starrrrrrrrrrfish

E mais uma vez com vocês: E.M.I.C.I.D.A

Está aí mais um divisor de águas do cenário rap nacional, esse cara aí, Leandro, com codinome de E.M.I.C.I.D.A.

Letras inteligêntes e sem “média”.

É uma pena que ta caíndo nos ouvidos de quem não tá pra entender…

Quem ta pra entender:

Tracklist:

1. Intro (É Necessário Voltar Ao Começo/ Part. Projeto Nave)

2. E.M.I.C.I.D.A (Prod. Nave)

3. Sozim (Prod Marechal)

4. Rotina (Prod. Nato PK)

5. Pra Mim… (Isso é Viver/ Prod DJ Nyack)

6. Ainda Ontem (Part. Rashid, Projotae Fióti)

7. Pra Não Ter Tempo Ruim (Part.Matiana Timbó)

8. Só Isso (Prod. Slim Rimografia)

9. Vô Busca Minha Fulô (Prod DJ Nyack)

10. Ela Diz (Prod. Emicida)

11. Por Deus Por Favor (Prod Marechal)

12. Preciso (Melô Do Mundiko/ Prod. Nave)

13. A Cada Vento (Part. Paulo)

14. Sei Lá… (Part. Rael Da Rinha/ Prod Emicida)

15. Cidadão (Prod. Léo Casa1)

16. Soldado Sem Bandeira (Prod. Emicida)

17. Vai Ser Rimando (Prod. Emicida)

18. Um, Dois, Trez, Quatro

19. Fica Mais Um Pouco Amor (Prod. Nave)

20. Outras Palavras (Part. Rael Da Rinha/ Prod. Dichinelo, Marechal, Damien Seth)

21. Hey Rap! (Prod. Dario)

22. Essa É Pra Você Primo

23. Triunfo

24. Eu Tô Bem (Part. Daniel Cohen/ Prod DJ Nyack)

25. Ooorra… (A Que Deu Nome A Mixtape/ Prod. Nave)

DOWNLOAD PARTE 1

DOWNLOAD PARTE 2

Genival Oliveira Gonçalves – GOG!

gog_materiaA mente mais pensante do RAP nacional, o cara que passa a devida inteligência, atitude e coerência do mundo em suas músicas.

“É o Crime, o som batendo forte nos falantes
É o Crime, ser conciente na voz arrogante
Amante das causas das canções que me comovem
Do rap, do guetos, dos pretos que promovem
O crime do raciocinio lógico pro bem
O crime, da identidade própria também
Não sou refém, sou rolo compressor
Sou G. O. G., um gladiador
Dou mó valor na questão da postura
Dou mó valor pra quem suporta vida dura
Quem me conhece sabe o que eu penso, o que eu quero
Corro atrás, sempre mais, não espero
Meu nome, meu retrato estampados nas camisas
Jamais foram relacionados ao motivo das brisas
Frizam, as frases de um poeta contundente
Reprisam rap nacional constantemente
Na frente, minhas regras meus conceitos sobre a paz
Ranjam os dentes, mazoquistas intelectuais
Quer mais?!?! Canto o que o playboy mais odeia
Quer mais?!?! Não multiplico o pão na santa ceia
Mas é o crime, viver sobre pressão da repressão
É o Crime, saber que não filme esse mundão
Brutalidade é o pior do Supercine
Representar as quebradas do Brasil, é o crime

Buscar sabedoria no poema fortalece
Som alucinante até rejuvenesce
Rezo a prece, que leva o coração já quase morto
Alegria e alguns momentos de puro conforto
Por mais que eu fale citando momentos do dia-a-dia
Muitos ainda preferem viver na orgia
Quem diria, três letras que já dizem tudo
Quem diria, que o vinil do Gog é um escudo
Absurdo, pra quem não sabe o limite da potência
Ficou surdo, ergueu no maximo, paciência
Eu sou, que abala as estruturas eu sou remédio
Sem mistério, meus filhos, minha mulher , meu império
Protesto, justiça lenta, cega, surda e muda
Manifesto, nota dez pro mano que estuda
Criminosos da comunicação minha família
Segue a trilha, só louco conciente na guerrilha
No combate da febre criminosa eu sou receita
Me respeita, meus versos minha canção minha ceita
Credo, hipocrizia sistema nojento
Prego sem medo no alto pensamento
Que reflete o imenso poder das palavras
Que pra burguesia são malditas e macabras
Brutalidade é o pior do Supercine
Representa as quebradas do Brasil esse é meu crime

Então reflita, sobre seus conceitos
Então reflita, sobre seus direitos
Então reflita, vem jogar no nosso time
Entaõ repita mensagem positiva é o crime”